Amanhã serei tolo… mas hoje estou triste

images

Hong Kong – foto NYT

Muito triste estou eu por não estar alegre. Bastar-me-ia essa pequena bênção que é a alegria para não me remeter a esta situação de triste coitado… Mas com o mundo assim, quem poderá não estar triste? Os estudantes e os seus chapéus de chuva coloridos em Hong Kong sofrem ameaças; os que se opõem aos fanáticos islâmicos sunitas são decapitados; os que pretenderam ter uma Ucrânia unida são bombardeados.

E há o vírus do Ébola que agora preocupa toda a gente, porque deixou de ser do Ébola, passou para o Congo e do Congo para o Mar e do Mar para a Europa e para os Estados Unidos (é mais certo ter sido transportado de avião, mas como tem o nome de um rio…)

E há os Orçamentos dos Estados. Os impostos, os cortes, as descidas. Até na China se cresce menos e a deflação ameaça a Europa. Há uma tempestade perfeita? Ainda não, mas formam-se as nuvens que a hão de fazer.

Perante isto quem pode estar alegre? O tolo, o inconsciente.

Amanhã serei tolo, mas hoje estou preocupado… e triste.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Amanhã serei tolo… mas hoje estou triste

  1. Emília Moura diz:

    E se, por exemplo, pensarmos em meia dúzia de coisas boas que quase todos temos todos os dias: um tlefonema de um amigo, alguém que conseguimos ajudar ou rir simplesmente de tantos disparates que ouvimos por aí. Momentos alegres!

  2. Como nasci no Alentejo,fui lá nascer a casa de avó,e saí de lá embrulhada em xaile encostada a um peito forte e firme que era o da minha mãe ,ainda não tinha um mês,sinto me tentada a dizer que ,mas como receio que o Henrique Monteiro me chame e como prezo a sua opinião acrescento que ainda não é hoje que nos devemos ,talvez noutro dia,noutra ocasião,quando a aflição for de um filho,de um amigo,de um irmão.por hoje cá nos vamos arranjando,tirando de um lado,para por noutro,somando e subtraindo e pensando que a História se vêm repetindo , que já houve outras ocasiões que os anunciados fins seriam,para ontem.Não foram, por isso hoje não quero estar triste e quero deixar isso aqui escrito,preto no branco(cor do papel e da letra)que espero que a pouco e pouco todos nós,mesmo todos ,estaremos mais alegres…deixando ,por generosidade ,algum espaço para os tolos,porque c` os diabos tenham direito à vida.

  3. me chame tola(falta no texto)

  4. Será que a culpa é da avestruz? O certo é que o mundo está de truz.

  5. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Os tolos não serão muitas vezes sábios?

  6. Beatriz Santos diz:

    Hoje, já é amanhã:) apesar de estar tudo como estava e não haver homens a cortar veias (quer dizer, deve haver mas não por nossa causa). E duvido que a tristeza seja força. Prefiro a alegria possível que nem sempre é tola e antes me parece arma capaz de enfrentar futuros.

    Porém, não existe alegria verdadeira sem a correspondente tristeza.

Os comentários estão fechados.