Ando Nisto

 

 

HOJE  VI
coisas de Adrián López Crego. Fotógrafo, motion designer. Quando  A.L. Crego encontra a peça de arte urbana e a passa para formato gif, ela renasce neste virtual país das maravilhas onde também já residimos. Sobre o trabalho de um artista de rua faz uma animação e temos as paredes vivas no ecrã da nossa sala de trabalho – o mundo de lá de fora ao alcance dos olhos dentro, e isso é feliz. Descobri-o aqui: bom vento e bom casamento.

(Se seguir o link supra, verá o que está sub como eu vi, não sei plasmar os bonecos em movimento…)

E como não vi filme algum, nem vou ver, tenho numa fartura de trabalho para fazer, mostro o dvd que vejo mais vezes na vida, de manhã, ou se a manhã falha, a meio da tarde. Azarucho, não é cinema, é aula – está lá em baixo na photo. É o NYCB Workout.

HOJE LI
e vou continuar a ler. Como muitos, não consigo ler um livro: leio livros, sou uma serial reader. Ensaio, poesia, romance, crónica, outro ensaio. Resumindo:
1. Reli, da Poesia e Metafísica, de Eduardo Lourenço, Walt Whitman e Pessoa, num exemplar novinho, comprei-o no ano passado porque não sei onde enfiei o outro igual a este já com montes de anos;
2. Reli como folhas soltas versos de Todos os Poemas, de Ruy Belo, nos intervalos;
3. E estou a reler também as pouco mais de vinte páginas do capítulo 2, d´A Poesia do Pensamento, de George Steiner, mas acompanhadas dos fragmentos de Heráclito e Parménides que estão online  traduzidos do grego para o inglês, com notas e comentários. Romance, nicles, crónica só quando for dormir, mas ainda não sei qual nem de quem.

HOJE OUVI
Ah! non credea mirarti, com Callas e Antonino Votto no repeat. Faço isto do repeat muito. A maior parte das vezes com o tio Bach. E trouxe da estante Seasick Steve para ouvir ao café, depois de almoço, a pensar em nada e em coisa nenhuma. Nem lhe toquei. Enganei-me: não estava in a Seasick Steve state of mind.

 

Ps: é o meu lindo verniz novo!

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Ando Nisto com as tags . ligação permanente.

10 respostas a Ando Nisto

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Esta é a programação de um mês de um, digamos, Centro Cultural de Belém.

  2. Eugénia, que bela viagem que já me deu hoje pelas inesperadas fotos animadas. Segui blog atras de blog atras de blog, sao mesmo interessantes estes autores.
    Agora só me falta pelo menos mais um mês para conseguir seguir o seu rasto ( pelo menos, que eu não vou ao ccb todos os dias…)

    • EV diz:

      Mas a menina larina imparável aqui presente e com rasto pelo mundo todinho não sou eu… Merci.

  3. Bernardo Vaz Pinto diz:

    Sim, é uma programação e pêras….Espero que o Sea­sick Steve tenha espaço na próxima programação…

  4. Beatriz Santos diz:

    se fora eu leria talvez os mesmos livros em seis meses. gosto particularmente desse estudo de Eduardo Lourenço sobre poesia e metafísica, na verdade todas as suas obras me agradam.
    e obrigada pelas fotos animadas.

  5. EV diz:

    Não… foram só dois capítulos, um de cada livro, e três poemas. Os fragmentos são para ir remoendo. E o NYCB demora pouco mais de quarenta minutos com aquecimento e relaxamento incluídos – é mais rápido do que ir ao ginásio. A Callas são menos de cinco minutinhos vezes o número de vezes que se quiser. As photos um clique. Obrigada eu.

Os comentários estão fechados.