Dare me not cause i accept

Em resposta ao desafio da Eugénia aqui

Desafio da EV

 

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a Dare me not cause i accept

  1. EV diz:

    Já me ri que me fartei e já me fartei de gostar!! Muito fun!

  2. Teresa Conceição diz:

    Está a ver, Rita, isto é que é uma mala de jeito. Adoro. Que pureza de linhas.
    Eu lá alguma vez atinjo este poder de síntese.

Os comentários estão fechados.