Olho por Olho

 

 

"As Origens", Litografia II, de Odilon Redon

“As Origens”, Litografia II, de Odilon Redon

Redon, o simbolista, papá do surrealismo “malgré lui”, lançou-se às origens por causa de Darwin e dos pesadelos de infância. Mais viveu, mais negro ficou. Não ficamos todos?

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Museu das Curtas. ligação permanente.

Uma resposta a Olho por Olho

  1. Já sei o que vou fazer querido Pedro. Só não sei bem é quando. Mas é uma belíssima peça.

Os comentários estão fechados.