Um hino ao vício

à frente

A obra à frente

Mesmo sem a presença de Fernando Pessoa, foi um devastador sucesso o lançamento de “As Flores do Mal”, obra em que este vosso plumitivo colabora na qualidade de organizador e prefaciador, e o excelentíssimo Pedro Norton é autor de 51 fotografias de volúpia e má vida.

atrás

A obra atrás

Podem ir ver as fotos todas ao facebook da Guerra e Paz, mas fica aqui, não uma pálida, mas a relampejante ideia da enchente que foi, com famílias inteiras dependuradas das varandas.

a enchente

As massas revolucionárias, numa aliança Cascais-Lisboa, tomaram conta da casa Fernando Pessoa

Tudo para ver uma mesa onde ao autor e organizador se juntaram a Joana Gomes Cardoso e o João Miguel Tavares.

a mesa

Um quarteto de ataque

Mesa em que, se formos bem a ver, estavam todos numa realíssima galhofa.

na galhofa

É que cantam o vício e ainda por cima riem-se

É, como diria o Norton, uma maneira de ver as coisas. Há, bem entendido, outras opiniões.

As fotos são da Neusa Ayres, que fez uma bela reportagem: não lhe escapou mesmo nada. 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Um hino ao vício

  1. Só lamento que as palavras tão bem empregadas ora pelo editor ora pelos comentadores sejam demasiado voláteis e à memória não se prendam com a precisão devida e fiquem sem uma muleta postada que seja…

  2. Beatriz Santos diz:

    Bom…como não vou comprar o livro e não assisti à apresentação nem dependurada de uma varanda, estive a ver a mostra do dito na net. Aquele final pode até estar bom, mas isso de agulhas espetadas é que não. Não se arranjam uns vícios menos garridos? É que o Pessoa era discretíssimo. No resto, gostei da mão que passa as folhas – passa-as com muita classe – cujas são, está mais que visto, de bom papel. Como não podia deixar de ser.

    Parabéns.

  3. nanovp diz:

    Pois sou testemunha e confirmo tudo o que está escrito, o que foi dito e o que se sugeriu..e acrescento: este é um livro que se cheira, o belo aroma da madeira…

  4. EV diz:

    Casa cheia… Viva!

  5. José A. diz:

    Senhor Fonseca, M. S.

    Chegou-me quase agora o exemplar adquirido nos saldos pré-cpmpra.
    O livro é tão bonito que até destoa de outras merdas da Guerra e Paz.
    Mas isso não importa a ponta de um corno.

    José.

    • Manuel S. Fonseca diz:

      José, o editor agradece-lhe a compra, agradece-lhe também o reparo e pede-lhe ajuda – e investimento – para fazermos a editora ideal (mas não platónica).

  6. llopes49 diz:

    Que grande Gaita!. Tudo o que é bom é Pornográficamente caro.

Os comentários estão fechados.