Podem os canibais rezar graças antes da refeição?

Nas últi­mas sema­nas,
alguns dos meus sobri­nhos não pude­ram escre­ver o Está Escrito. Cheia de pena — logo eu que tanto quero que eles me digam que livros é que é Triste ler — lembrei-me, e por saber que na minha pena com penas eles se dei­tam, de ima­gi­nar um livro que, Escrito, pode­ria ter sido o Está Escrito de cada um deles.

Um Está Escrito para o Pedro Marta Santos

Non Sense

Como não sei ser o meu sobrinho Pedro Marta Santos, como ninguém o consegue ser, e como ele me falhou, fiquei sem a veemência do seu “Está Escrito”. Faltou-me, dele, a adjectiva assertividade, um “Escrever é muito mais que Triste” capaz de empolgar até uma comissão de inquérito da Assembleia da República.

Eu, Tia, não tenho a menor convicção. Não é só não ser séria, nem solene – é até mais ser diletante, a diletante que confesso ser. Fui, por isso, e para me vingar da ausência de Pedro, buscar a mais diletante das minhas antologias, “The Faber Book of Nonsense Verse“. Organizou-a Geoffrey Grigson e publicou-a a Faber and Faber, em 1979, embora eu tenha a edição paperback de 1982, que me custou o sacrifício de 120 escudos. Mal gastos, porque o livro está mal feitinho, uma cola miserável na lombada e as folhas já a soltarem-se. Pirataria inglesa, bem entendido.

O embrulho é mau, mas o que está lá dentro delicia-me. São versos em esperanto ou na liberdade de uma inventada língua. É uma estrofe a construir casas sem paredes, numa quadra de Housman o católico Chesterton a dar graças ao Senhor por estar a chover gin, a Amélia do mesmo Housman a pôr mostarda no pudim da mamã, são os canibais a rezar graças antes da refeição supimpa. Afinal, nós podíamos tanto viver sem riso como um caracol sem o seu “fuzil de gelatina”. Mesmo a mais séria prosa precisa de ter um humor subliminar, a menos que queira ser burocrata. Como nos lembra este “Impromptu”, de Samuel Wilberforce:

If I were a cassowary
On the planes of Timbuctoo,
I would eat a missionary,
Cassock, bands, and hymn-books too.

Non sense _a

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.
Esta entrada foi publicada em Está Escrito. ligação permanente.

10 respostas a Podem os canibais rezar graças antes da refeição?

  1. EV diz:

    Já me ri de gosto… até o livro de hinos marchava! Fartei-me gostar.

  2. Senhora minha Tia, já estou arrependidíssima de ter escrito um Está Escrito. Assim não tenho um Está Escrito escrito para mim, pois …

  3. Teresa Conceição diz:

    A Ivone tem toda a razão, um assim eu também queria! Logo eu, nada interesseira, que até embrulhei uns presentes para a titi e tudo…

  4. nanovp diz:

    Este também podia ser para mim Querida Tia…até pode ser para os dois que não sou ciumento…

  5. Ó tia, que prenda tão bonita! Não conseguiria oferecer melhor a mim próprio! Sempre a considerá-la, mais querida de todas as tias, do seu ausente e diletante sobrinho.

    • Escrever é Triste diz:

      Ora, ora Pedro, que a prenda é bonita, é mais do que verdade. Está aqui, na estante, há anos. Agora não se arrogue direitos: que é lá isso de ser o mais diletante do sobrinhos? Tema a discutir…

Os comentários estão fechados.