Os laiques do feicebuque

quimet-quimet, caroline assad

Por acaso, não é ficção. Mas fica bem aqui, nas cores da ficção. Cenário: um balcão de tapas, em Lisboa, talvez Barcelona. Tempo da acção: hoje  – se lerem só amanhã, foi, portanto, ontem.

Personagens: um narrador, já ligeiramente e surpreendentemente (se atendermos à hora semi-vespertina) tocado; ao lado, duas jovens (ou um bocadinho menos) amigas. Um empregado de camisa branca, calça preta, inoportuno.

 – Como é que hei-de dizer. É como se tivéssemos voltado a andar…

– Sónia, mas tu nunca mais o viste. Nem ele a ti.

– Pois não, amiga, mas sinto.

– Mas sentes o quê, se não estiveste com ele.

– Olha, são os laiques que ele me põe no feicebuque.

– Tás maluca, Sónia. Tu só pões fotos de paisagens. E tens montes de laiques. Não me vais dizer que estão todos apaixonados por ti, até o mulherio que te laica.

– Marise, querida, os laiques dele são mais fortes. Olha que até chegam a mudar de cor. E não digas outra vez que sou doida, estás a a esquecer-te que ele é informático.

Aparece, disparado e solícito, o empregado:

– Então e depois da saladinha de camarão, sempre trago os croquetes de presunto

Com os croquetes vieram batatas fritas de pacote. A conversa, com o estrépito da mastigação, nunca mais foi a mesma. O narrador embrulhou tudo com a costumeira bica e saiu a carpir a sua inépcia informática.

Nota –  A foto, de Carolina Assad, é do Quimet & Quimet, bar de tapas de Barcelona. Com a devida vénia

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Ficção. ligação permanente.

19 respostas a Os laiques do feicebuque

  1. EV diz:

    Diga ao narrador que a nossa Rita até corações sabe fazer no feicebuque – eu não posso ajudar que não tenho feicebuque. E a nossa Rita é bem explicada.

  2. 🙂 🙂 🙂 O que eu já me ri com laiques que mudam de cor. Fabuloso, Manel. E sim, a m’nina Eugénia tem razão: a Rita sabe fazer a bonecada toda do feicebuque.

  3. Heloisa Freire diz:

    ai laique! 🙂

  4. Beatriz Santos diz:

    copiando a Heloísa, ai laique tu mesmo sem feicebuke (tive de ir copiar ao título que isto de escrever como se fala tem sua ciência).

    Bom Ano para toda a gente

  5. riVta diz:

    o que eu já me ri. Até li duas vezes para ter a certeza que percebi bem. Ainda me estou a rir … aqui vai um ♥ a pedido de várias famílias eh eh eh

  6. llopes49 diz:

    Cá por mim laiquei que me fartei. E gosto de ler coisas verrinosas e provocadoras. Boa.

  7. Sandra Barata Belo diz:

    “o laique dele é mais forte …” lóle lóle lóle atirando-me para o chão…
    ai laique é do Manel!

  8. Helena Sacadura Cabral diz:

    Ó Manel laiquei tanto este texto! E gostava de laicar a vermelho, mas não tenho capacidade para tal. Mas I like you.

  9. nanovp diz:

    No ifone é mais easy por causa do emoji….e parece que estou a falar chinês…

  10. teresafont diz:

    Logo eu, que laiko à maluca é que venho aqui dar palpites. Mas há laikes que mudam de cor ai isso há. Deixa ver se ponho um coração. <3

Os comentários estão fechados.