Escravos e Executivos

Pus os olhos uns 21, 22 séculos atrás e fiquei varado. Não é que,
meus caros irmãos executivos, CEOs e CFOs,
a política de bónus era já o modelo de correr atrás da cenoura que
os senhores romanos praticavam com os seus escravos!
Não está aqui escrito
e estou, se calhar, a esticar-me historicamente um bocadinho,
mas o mais certo é que imperadores e senadores
tivessem já linhas de fringe benefits pensadas
para amarrar os seus burros de carga à servidão. 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

5 respostas a Escravos e Executivos

  1. Jaime Duarte diz:

    Passados 21ou 22 séc. ainda temos senhores e escravos. Os escravos podem vestir Armani ,passear de BMW. Mas são escravos. Sobre eles pesa o chicote dos resultados, a angustia de uma apresentação de Power Point . Os” fing benefits” substituem a fava, alimentação mais nutritiva e variada. Quanto aos senhores, não têm rosto, podem estar em qualquer parte, falar qualquer língua ou mesmo diluírem-se na multidão e passearem com meia dúzia de ações no bolso porque também são donos. São senhores pateticamente contentes.

  2. EV diz:

    Vou já ler!

  3. nanovp diz:

    Não se pode retirar o mérito da organização destes senhores Manuel…mas como bem sabemos também a organização não é tudo, e continuamos a precisar da cenoura…

Os comentários estão fechados.