A memória dos séculos I

Deles, dizia Borges que eram a memória dos séculos. Deles, digo eu, é o lugar onde o ontem e até o amanhã se fazem hoje. São a única eternidade que conheço.

Livros 1

Livros 1

Livros 2

Livros 2

Livros, 3

Livros, 3

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.