Beleza que só a doença inspira

Johnny Cash já era Johnny Cash antes de ser Johnny Cash. Mas o meu Johnny Cash só verdadeiramente nasce pela mão do produtor Rick Rubin, já para o fim da carreira, já nos anos de 90. E o que é que isto tudo tem a ver com doenças? Pois bem, Cash guardou alguns dos seus melhores momentos para depois do diagnóstico do síndrome de Shy-Drager.

São dessa época os álbuns Solitary man e The man comes around. São desses álbuns as suas inesquecíveis reinterpretações de Mercy Seat (um original de Nick Cave), One (dos U2), I won’t back down (de Tom Petty). E é dessa época a recriação que é considerada o seu epitáfio: Hurt (dos Nine Inch Mails).

Há belezas tão sombrias que só a doença inspira.

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.