Essa raça de gente

Não creio que o mundo queira os seus heróis, vitoriosos ou caídos, antes pelo contrário, faz gosto em esmagá-los e apenas não pode, não consegue mais que prová-los, porque o amor é maior do que a morte e essa gente, ó essa raça de gente, até nos ossos, até no ódio é mais amor e a vida inteira.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Essa raça de gente

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Na vida ganham os monstros, já não há heróis, jura o senhor Martin que escreveu, monstruoso e ganhador, o Jogo dos Tronos. Será verdade?

  2. G. diz:

    Ou estará o mundo farto de ser ludibriado?
    A condição de herói não permite os defeitos humanos, concluo portanto que não há heróis (senão na literatura e nos livros de história), mas indivíduos melhores do que a maioria.
    Espero estar enganada.

    • EV diz:

      Talvez não sejam indivíduos melhores, talvez sejam apenas capazes de superação.

  3. nanovp diz:

    Já lá vão uns anos, Stranglers ” No more Heroes”….https://youtu.be/0PRdfHSn6U0

Os comentários estão fechados.