Adeus Jesus

FUTEBOL - Jonas jogador do Benfica e Jorge Jesus treinador do Benfica, durante o treino. Caixa Futebol Campus, no Seixal. Terca feira 7 de Abril de 2015. (RUI RAIMUNDO/ASF)

Ai Jesus, adeus, adeusinho (RUI RAIMUNDO/ASF)

Este é Jesus, até agora Nosso Senhor, a fazer-nos adeus. Adeus também para ti, Jesus, que já não és Nosso Senhor. Ainda não sabes, mas não voltarás a ser tão feliz como foste aqui: é que tu foste feito para a Catedral e a quem é feito para Catedrais custa sempre ir para uma capelinha.

Olha, obrigado pelas belas vitórias, por teres posto o Aimar a jogar outra vez tão lindo, por teres inventado o Coentrão, o David Luis, o Matic (ou é Matique?) e o Enzo, por teres posto ao Jonas a passadeira rolante para qualquer baliza, a qualquer momento e a qualquer hora. Foste, querido Jesus, grande e sublime, também por teres estado onde se pode ser grande e sublime. Como ao outro Jesus de há dois milénios, agradeço-te até as tuas conferências em aramaico. Tu, como ele, com a ajuda do Espírito Santo (salvo seja), fazes de qualquer língua morta uma língua viva.

Deixas a Catedral e vais agora para uma capela de a-lumiar. Terá também a sua graça e terás os teus momentos, deixa lá. E eu, que só sei ser grande pela grandeza desse S. L. Benfica que foi a tua gloriosa Jerusalém, a tua cidade perfeita, cidade de harmonia e beleza, desejo-te as maiores alegrias que se podem ter nessa, prontos!, capela para onde foste: as alegrias de ser sempre segundo. Tu que és mestre em analogia, depois nos dirás: que ser segundo para onde vais é quase tão bom como vencer gloriosamente de onde vieste.

Obrigado pelos 6 anos na Catedral. Obrigado por algumas missas tão bonitas, misssas de 20 minutos à Benfica, missas de Aimar, Enzo, Salvio e Gaitán, um pontapé a Cardozo. Foi bom, foi bonito. Comungámos. Adeus Jesus.

ps – E o meu Benfica, grande, glorioso, eterno não pode, nem deve deixar que a fraqueza humana que é a de todos nós e, por isso, também de alguns seus dirigentes, se perca em explicações azedas e diatribes ressabiadas. Fomos grandes juntos. É esse o património que se preserva, o resto é mesquinhez que nem sequer faz a espuma dos dias. Se Jesus quer ir embora do céu, que vá.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

16 respostas a Adeus Jesus

  1. EV diz:

    Fui discípula confessa de Jesus e subscrevo tudo. Para quê amargar o que é doce?

  2. Paulo Portugal diz:

    Que bonita oração! 🙂 Pois que vá em paz. E que Marco agora nos acompanhe. Pois só com ele a Vitória nos sorrirá.

    • Obrigado, caro Paulo. Estou mais numa linha Rui Vitória, mas confio na escolha – os deuses hão de inspirar-nos.

    • Maria Romão diz:

      Estou consigo Paulo Portugal, gostava mesmo que fosse o Marquito e ele agora estava mesmo no “ponto “… bonito texto esta carta aberta ao JJ do Manuel S. Fonseca…
      🙂

  3. Helena Sacadura Cabral diz:

    E eu que até sou da capelinha – salvo seja – não consigo compreender este milagre!

  4. Carlos, foi preciso um Sportingista para te dar alegrias no futebol. Tu és um homem com uma cariz de igualdade, logo, distribui um pouco pelas Capelinhas, mas por favor, não nos envies o Capela, nós não queremos que nos façam favores ahahahahahahaha Abraço

  5. Ricardo Cruz diz:

    É curioso falar em diatribes ressabiadas quando se menoriza (vulgariza?) desta forma uma instituição como o Sporting Clube de Portugal.
    A vós, benfiquistas, que tanto se orgulham do vosso passado glorioso – num passado muito recente, pré-Jesus, era inclusivamente esse o trunfo do qual sempre sacavam para ofuscar as sucessivas derrotas -, fica-vos muito mal convenientemente ignorar que o Sporting foi, por exemplo, o único clube a par do FC Porto a conseguir um tetra-campeonato.
    Aliás, segundo essa ordem de ideias – perante a grandeza hegemónica do todo-poderoso Benfica -, o Porto continua a ser um clube regional e insignificante, não é verdade?

    Enfim, nada de novo. É a soberba benfiquista no seu melhor, transversal a qualquer área profissional à qual estejam associados os seus adeptos.

    • Ora, ora, Ricardo, não seja tão politicamente correcto. É só um artigo descontraído sobre futebol É claro que eu acho o meu Benfica muito melhor do que o Sporting. Como o Ricardo acha o seu Sporting melhor. Adiante, o post não é sequer sobre isso, é só todo viradinho para o Jesus, como se fosse a última conversa de família.

      • Ricardo Cruz diz:

        Do ponto de vista estritamente futebolístico, e uma vez que sou um sportinguista não-faccioso, consigo ter toda a lucidez necessária para reconhecer que o Benfica, por toda a sua história recente e remota, é inequivocamente superior ao meu clube. E enfatize-se que estou apenas a referir-me ao palmarés futebolístico!
        Dito isto, interpretei mal, pelos vistos, a alfinetada que quis dar no Sporting. Mea-culpa.
        Aliás, estava até a estranhar que tamanha manifestação de desprezo fosse genuína, pois este tipo de atitudes costumam estar reservadas à miudagem benfiquista neo-betola que por aí anda. Para estes, actualmente na casa dos 20 e picos, o Sporting é hoje um clube tão inofensivo que são incapazes de reconhecer toda a sua grandeza histórica. É triste, mas o futebol produz mesmo estes efeitos geracionais.
        E é precisamente por existir tal tendência amnésica que bombas como esta do JJ são tão necessárias.

        Um abraço!

  6. Daniel Reis diz:

    Ena, que magnífica dor de corno tão elegantemente exibida aos olhos do povoléu. Ainda por cima, escrita em tons eruditos, o que a torna, mais que bela, belíssima. Valha, ao menos, ter adquirido a certeza de que existe na Pátria um lampião, um só que seja, que ousa despir-se de pudores para mostrar em público, em toda a sua nudez, a chaga aberta pela pancada que o chefe Bruno aplicou, sem compaixão, aos nossos megalómanos vizinhos da Segunda Circular. Com simpatia, aceite as condolências de um leitor assíduo e, juro, ainda mais fiel, a partir desta manifestação de viuvez dorida em plena praça pública. DR

    • Oh, seja bem vindo, Daniel. E traga o chefe Bruno, também.

    • Paulo diz:

      Daniel Reis, só daqui a um ano é que saberemos se foi “uma chaga aberta pela pancada que o chefe bruno aplicou, sem compaixão…” ou se foi o prego final no caixão de um clube que, por um lado, anda a pedir dinheiro aos sócios para construir um pavilhão mas por outro tem 6M€/ano para dar a um treinador… Infelizmente, você não percebeu nada deste texto, fomos felizes com o jesus à frente do Benfica, mas ele quis embora…boa viagem!!! Cá estaremos para receber e apoiar o novo Treinador do Benfica, esperando que seja o Marco Silva pela enorme competência, honestidade, rectidão e principalmente paciência que demonstrou ter, tendo em conta o facto de ter como Patrão aquele sr…

  7. JD diz:

    Caro Manuel S. Fonseca. Esta crónica está ao seu nível.Quanto ao “Post Script”, aumenta a minha simpatia pelo Benfica e pelo seus adeptos. Que venha o Rui que bem merece e não é daltónico.

Os comentários estão fechados.