Países Nórdicos – Além Que Sabia Mas Não Vira

Fiorde Mälaren

Fiorde Mälaren

Cheguei a esta idade sem nunca testemunhar a paisagem e o propalado way of life da Noruega e da Suécia. E a falta que me fazia nas trocas de ideias sobre os povos lá no cimo da Europa que se estiveram «nas tintas» para o euro… Espertalhões os maganos!

 

Deliberadamente, linguagem corriqueira que me dá infinito prazer devido ao estar geralmente empinado das gentes norueguesas e suecas: calados, parcos em agradecimentos e saudações que os latinos esbanjam – benza-nos Deus! –, relutantes em prestar informações seja na língua deles que ignoro e na recusa do uso do inglês que falam, I presume, melhor que nós. Abanam a cabeça da esquerda para a direita e não tugem nem mugem. A modos como os espanhóis mesmo quando lhes falamos em «portunhol». É evidente que somente lidei com o povão, mas se o meu se esforça na ajuda, o deles, jamais. Como se a altivez fosse substantiva diferença no top ten de importância dos países europeus.

 

«Pormaior» a não esquecer: alguns suecos roubam notas alheias muito pior que os nossos larápios encartados. Exemplo: após visita à imponente e dourada Prefeitura, sede das comemorações anuais dos Prémios Nobel, o «rebanho» foi direto para a loja do edifício. Apenas cobicei um magnete para acrescer a coleção dos que possuo vindos dos lugares da «estranja» onde permaneço. Paguei em euros, recebi menos de metade do troco devido. Reclamei. Silêncio da vendedora. Mandou-me avançar. Obedeci – o enjoo pelo descaro e pela «gentiaga» de muitas partes do mundo e por coroas isentas de serventia foram razões.

 

Sem espaço para qualquer dúvida, a geografia esmerou-se na formosura da paisagem que a noruegueses e suecos concedeu. De acordo com a sábia regra que afirma estar uma qualidade associada a um defeito, o sol penalizou-os com um clima de excessos – muita noite e pouco dia ou dia sem fim e noite quase reduzida a zeros em intervalo de tempo curto no ano. Tive a bênção de assistir às sobras do sol da meia-noite, a um navio de tonelagem impressiva rasar as sucessivas ilhas e à folhagem da belíssima vegetação de grande porte se colar às varandas mais baixas do resort flutuante. Impossível não ficar fascinado pelas segundas casas dos habitantes urbanos: a distância razoável entre o edifício principal de madeira, o cais onde barco ancora e a sauna também de madeira debruçada sobre o fiorde a permitir mergulho imediato nas águas geladas. ‘Cá para mim’, o calorão seguido de gelo deve tolher-lhes a língua. Se lhes tolhe mais algum apêndice vital, não obtive provas. Nem queria.

 

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade.
No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria.
Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

2 respostas a Países Nórdicos – Além Que Sabia Mas Não Vira

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Grandes viagens, Maria.

  2. nanovp diz:

    Olhe que não é nada mau uma sauna e depois um mergulho na água limpa e fria…

Os comentários estão fechados.