Prédio de Placa

Fotografia de Maria João Cabrita

Fotografia de Maria João Cabrita

Não adoro aqueles apartamentos dos anos cinquenta com as suas janelas estreitas, o rolo das persianas ao léu, sem portadas, sem sacada, nem sequer varandins, sem nada e uma vida assim para dentro, fechada.

A casa é um lugar muito importante para mim. Não é um lugar de chegada, ao fim do dia, ou ao fim de dias. Vivo a casa. Trabalho em casa. E gosto muito. Pela mesma razão, o que me rodeia também é importante, há uma intenção quando vou para a rua que é estar no espaço fora – talvez isso explique o meu gosto por jardins, ou talvez esteja a inventar razões para o que é como é, sem mais.

A verdade é que a minha vida não é assim tão diferente da vida que desejei ter quando era pequena. Algumas coisinhas muito importantes ainda não aconteceram, mas creio que é para isso que serve o futuro, não é?

Seja como for, hoje enquanto dormi estive em sonho num desses apartamentos dos anos cinquenta. Pensava o que penso acordada, não adoro, mas era tão amplo e o quarto grande, as casas de banho com áreas como já não se fazem, e o que eu gosto de uma boa remodelação… Adoro obras: está tudo de pantanas e eu só vejo como vai ficar. Quando fui lavar os dentes antes de dormir, estava já a renovar a casa de banho em pensamento – linda!

Parece que ainda estou a ver o edredon da cama, era novo, e bom, fazia aquele barulho a novo dentro da capa, de repente, para minha surpresa, estava acompanhada. Essa pessoa ao meu lado era tudo quanto desejaria de uma pessoa ao meu lado e sei-o porque me sentia feliz e ele sorria enquanto tirava a blusa de malha de gola alta, diabo de homem sexy que o sonho me foi arranjar, com uns braços bonitos e diz, achei o jantar um bocado caro para o restaurante que era, mas foi giro, não foi? Há sorrisos que são descarados nos olhos. O dele. E beijou-me um beijo de tudo é exactamente como é suposto que seja. Um pequeno beijo e o mundo ficou no lugar e o lugar era um desses apartamentos dos anos cinquenta – não os adoro. Uau.

Acho que não volto a olhar para esses prédios de placa da mesma maneira.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

12 respostas a Prédio de Placa

  1. Mario diz:

    Ja sei o homem ideal para si, um trolha, deve ter braços vigorosos e faz as remodelaçoes de borla

  2. adelia riès diz:

    Hmmmmmmmmmm 🙂

  3. Emeel diz:

    “A casa é um lugar muito impor­tante para mim. Não é um lugar de che­gada, ao fim do dia, ou ao fim de dias. Vivo a casa. Tra­ba­lho em casa. E gosto muito. Pela mesma razão, o que me rodeia tam­bém é impor­tante (…)”.
    Que bela síntese! Obrigada, pela simplicidade das palavras e profundo sentir. De facto, hoje o culto da “rua”, das viagens e dos contactos, contrasta com a “casa” – vista como um espaço fechado, sem horizontes e, às vezes, sem memória. É claro que não se pode generalizar, mas há “modas”, que condicionam formas de estar e hierarquizam espaços. Se me permite a partilha, também eu sinto a casa como um “território” onde me sinto bem!
    Sim, há sonhos que valem pedaços de vida. Sabem a pão com nozes, em tempo de cerejas …

    • EV diz:

      Pois é, os sonhos também são vida, a vida enquanto dormimos. E quanto da vida é sono?

  4. Beatriz Santos diz:

    Bom também gosto da casa; acho mesmo que me prolonga ou eu a prolongo, não sei bem; continuamo-nos uma à outra sem aleivosias ou seriação; mas pouco me importa o que dentro dela me rodeia desde que seja basicamente o mesmo. E mudanças, obras, mexidas que envolvem pó, trabalho e arrumação fastidiosa bolem-me com o neurónio.

    Quanto ao sonho…é seu Eugénia, faça o favor de se servir:)

  5. Luisa diz:

    Adorei isto. A casa física é importante mas é dentro de cada um de nós que temos o bem estar mais absoluto. Muitas vezes são momentos apenas.

  6. Manuel S. Fonseca diz:

    Uma casa é uma fortaleza, não é?

  7. nanovp diz:

    O truque está nos sonhos Eugénia, em alguns tudo parece mais amplo e mais iluminado, e eles e elas tão sexy…até dá para esquecer o apartamento…

Os comentários estão fechados.