Dois metros quadrados de erotismo

A pele, a nossa pele, a pele de cada um,
tem 600 mil receptores sensoriais. São 600 mil pontos em que se pode tocar. Toquem e vão ver que que são 600 mil receptores a reagir como neurónios – inteligentes, sensuais. Com quase dois metros quadrados – 1,8 metros quadrados se quisermos entrar em minhoquices – a pele é o maior orgão erótico do corpo humano. Por baixo da roupa e por cima do esqueleto andamos com uma nona sinfonia cutânea que até Beethoven era capaz de ouvir. Dedos, palma da mão, sovacos, a altiva nuca, ombros, joelhos, atrás dos joelhos, a sinuosidade que leva da coxa à nádega…

Como é que é possível, bom Deus, que não esteja, agora mesmo, meio mundo a passar a pele pela pele do outro meio mundo? 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

5 respostas a Dois metros quadrados de erotismo

  1. EV diz:

    Mas que boa pergunta…

  2. nanovp diz:

    A ver a ver como dizem os Espanhóis…ainda vamos ter uma “performance” lá para o Terreiro do Paço…

  3. riVta diz:

    Querido Mestre.Porque está muito calor!

Os comentários estão fechados.