Esquecimento

Às vezes esqueço-me que morreste.

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem.
Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton.
Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque… escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

6 respostas a Esquecimento

  1. Grocha diz:

    Por um lado é triste, por outro é bom sinal, significa que a pessoa é (foi) tão importante que está (esteve sempre) dentro e nunca fora de si!!! Sorte sua e da pessoa !!! isso é Amor no verdadeiro sentido da palavra!

  2. Luís Casal diz:

    Essa notícia sobre minha morte é um exagero, pode dar uma boa frase, mas não é verdade.

    • riVta diz:

      Não me importo que neste caso seja o locutor e o interlocutor. No que diz respeito a ser verdade ou mentira é indiferente. Morrer pode ser outra forma de viver.

  3. nanovp diz:

    Esquecer é também morrer…

Os comentários estão fechados.