À espera de Deus

À ESPERA DE DEUS

Espero por Deus sempre
nos lugares onde não O encontro,
quando, assim de repente:
morreu, é terminal, 
arruinou-se, 
foi num desastre, 
é uma catástrofe natural.
Espero por Deus sempre
e mais quando parece que não está,
quando bato de frente no
não: não vales, não podes, não tens,
não a mim e a ti, não a este e aquele, 
só porque sim. Só porque sim, não.

Espero por Deus sempre.
Espero até que O veja
nestes locais mal frequentados da dor
e durante o tempo que for,
e espero-O porque chega.

Entre nós e os males do mundo
estão os guardiões da Vida:
um chama-se Mãe,
o outro chama-se Pai.
Casulo. Filtro. Explicação.
E um dia, entre nós e o mal, nada,
Mãe e Pai são vozes dentro da nossa voz
e é a nossa vez de guardar a Vida.
Mas eu sou demasiado pequena
para a guardar sozinha,
preciso que a Tua força pegue 
na minha fraqueza e lhe diga, 
és minha.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a À espera de Deus

  1. Pedro Norton diz:

    Eu que não espero goste que espere.
    Gostei muito

  2. Talvez Ele só apareça quando já não se espera. Como aqui, neste poema que tanto O espera.

  3. Henrique Monteiro diz:

    Eu gostei e Ele aparece sempre, mesmo a que não espera e a quem desespera. É o tempo de busca que determina a aparição e não a mera vontade do encontro. Deixo aqui o segredo da coisa:
    Bate, e a porta ser-te-á franqueada;
    Pergunta e obterás resposta;
    Procura e encontrarás.

  4. A. (Ou Malévola) diz:

    Ainda bem que Deus sempre vem. 🙂

    “Se tanto amor dentro de mim recebi e no entanto continuo inquieta é porque preciso que o Deus venha. Venha antes que seja tarde demais.”

    (trecho do livro: Água viva. autora: Clarice Lispector. editora: Rocco.)

  5. manuel correia alpalhão costa diz:

    Mais triste ainda é, sem filosofia, passar 12 horas em qualquer Serviço de Urgência de qualquer Hospital público, claro!

Os comentários estão fechados.