Ama-te a ti mesmo

 

Acordei duas vezes esta noite. Por mero acaso vi as horas. Uma das vezes, o relógio digital marcava 4:44, da outra 5:55 – e a verdade é que não estou lá muito certo da ordem pela qual vi estas duas horas. Deus queira que mais tarde do que cedo, o certo é que vai haver um dia em que  acordo às 8:88 e lá se acabam os posts.

Fosse por isso ou por alguma irritação com a agitação natalícia,
dei comigo a pensar numa máxima para um novo catecismo: “Ama-te a ti mesmo como se amasses dois próximos.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

3 respostas a Ama-te a ti mesmo

  1. EV diz:

    Portanto: ama-te o dobro do que amas a qualquer outro…

  2. José Amaral diz:

    Essa de acordar às 4:44 … BRRRRRRR ! É que, para os chineses, o algarismo quatro dá azar. Porquê? Porque o som correspondente a “quatro” é “SEI” (assim fica mais fácil, em termos fonéticos) ; mas “SEI” também é o som para a palavra “MORTE”. Portanto, meu caro, o facto de ter acordado à hora que referiu e ainda ter voltado a acordar…é obra! Muitos parabéns; e, se me permite o conselho, aproveite a Vida em dose quádrupla e…dê graças a quem as tem de receber!…

Os comentários estão fechados.