Warren Beatty e a objectificação sexual do homem

Lancers

Que linda que era a Joan Collins. E olhem-me bem para os nervos de Warren Beatty. Atrás deles, está John Waters, futuro cineasta, king of the bad taste. Quem segura isto tudo é a garrafa de Lancers.

Eu tenho um bocadinho de pena de Warren Beatty. Já não lhe bastava ser tímido e inseguro, o que é até muito compreensível se nos dermos conta de que ele não tem mais de um metro e 88 de altura. Acresce que Beatty foi vítima, praticamente durante cinco décadas, de todo o tipo de abuso e exploração. Cerca de 12.775 mulheres usaram e abusaram sexualmente dele. O caso é tanto mais escandaloso quanto são públicos os pormenores e de grande celebridade as mulheres que transformaram Beaty num humilhante objecto sexual. Hedda Hopper, patroa do gossip em Hollywwod, chegou a dizer, de uma actriz nomeada para os prémios da Academia: “Não ganhou o Oscar, mas não tenho pena nenhuma dela, levou o prémio de consolação, Warren Beatty.” Mamie van Doren, uma das abusadoras, despiu-o e, perante o que lhe saltou à vista, correu a buscar a fita métrica. Susannah York, outra actriz abusadora, chamava-lhe com desfaçatez não caritativa “o meu ossito de peluche”. As amigas de Joan Collins, outra das que impiedosamente desgraçaram Beatty, garantem que ela o obrigava a fazer sexo sete vezes seguidas, o que a própria é incapaz de confirmar: “Pode ser que tenha acontecido, mas eu, depois da terceira, caía esgotada na cama, cansada demais para me lembrar do que acontecia.” E até uma cantora, Carly Simon, invertendo o ónus da prova (não sei se se pode dizer assim, mas o Diogo Leote logo me explica), lhe dedicou uma canção, que faz deste homem inocente e humilhado, um jactante Casanova.

Mas se julgam que escrevi esta post para fazer uma torpe lista de baixezas, estão bem enganados. Ali em cima, na foto que é a única razão deste post, bem podem ver Warren, a vítima e Joan, sua algoz. Consegui saber que a foto foi tirada durante um ensaio da mana de Beatty, Shirley MacLaine, no Lido, em Paris. A graça é que, nesses anos 60, estão a beber um vinho portuguesíssimo, o sparkling e inenarrável Lancers, cujo prodigioso design da garrafa fez história, servindo depois de vazia e seca, como as garrafas de Mateus Rosé, para candeeiros lindos e originais.

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

2 respostas a Warren Beatty e a objectificação sexual do homem

  1. pedronorton diz:

    Este post é de facto de uma tristeza … jactante.

Os comentários estão fechados.