À passagem

NEMORE

NEMORE

Um jardim de 36 pequenos mastros de grafite que se curvam à passagem do visitante. Cada pequeno mastro de grafite tem um comportamento diferente.

“Does a system arise from the poles behavior that we (the observers and the visitor) perceive as angst, curiosity, nervousness, etc.? Each pole has a distinct sound, which builds up a chord, fluctuating in resonance with the movement of the poles. “Fishing for compliments.”

Ver mais aqui.

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Ando Nisto, Post livre. ligação permanente.