Uma voz poética

A Rita já explicou aqui, o que eu aqui comecei como um teaser. Está, a partir de hoje, nas livrarias, um novo livro de poemas de Eugénia de Vasconcellos. É este livro, com esta capa:

Quotidiano

Eu sou o editor desse livro. Deixo, por isso, que outros falem. Mas fica um breve esclarecimento. Eu, que não publico poesia contemporânea, tenho uma razão – uma única razão – para publicar este O quotidiano a secar em verso. Li os poemas e encontrei neles uma discursividade exuberante, tão desregrada como bela, uma integração do quotidiano no jogo metafórico, como não vejo em mais nenhuma da nossa poesia actual.  Este é um livro em que a linguagem vai ter com a vida e dá lugar a uma voz poética própria. E calo-me, como prometi.

Tenho a certeza de que vamos ouvir falar muito deste livro.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

13 respostas a Uma voz poética

  1. EV diz:

    Merci, Manuel Fonseca. Sabe? não podia estar mais feliz com este livro…

  2. Bea diz:

    Parabéns, Eugénia. Acredito nos poemas e acho o invólucro simples e elegante, como convém à poesia

  3. LIBERTAS QUÆ SERA TAMEN (Ou Senhora A.) diz:

    Também tenho a certeza de que vamos ouvir falar muito deste livro e da extraordinária Eugénia de Vasconcellos.
    Um abraço e parabéns pela publicação! 🙂

  4. albertino.ferreira diz:

    Eu ontem dei uma volta pela Bertrand do Chiado e lá estava o livro da EV em local de destaque e aproveitei para ler alguns poemas, além de ter na contracapa o rosto da autora; é sempre bom ter uma imagem das pessoas que escrevem tão bem e são assíduas aqui no “Escrever é Triste” com os seus comentários . Parabéns ao editor e à autora.

  5. nanovp diz:

    Bonita edição, parabéns a autora é editores…

Os comentários estão fechados.