Arquivos Mensais: Março 2017

O escritório fechou

  O escritório fechou. O costume. Uma oferta “irrecusável”, sabes como é. Sinto-me um mercenário. Vendemos as nossas memórias. O escritório fechou. Era para te ter escrito há mais tempo mas a verdade é que tive vergonha. Fica lá um bom bocado … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 10 Comentários

Mais Valia: tese e tusa

Com a idade, vê-se muita coisa. Isto é, já se viu muita coisa. Como diriam a Marina Mota ou a Ivone Silva numa rábula de revista: são muitos anos a virar frangos. E deixem que eu lembre, com um sorriso, … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 2 Comentários

Estes carros são comunistas

Estes são os veículos. Veículos da minha nostalgia. Atópicos. Utópicos. Sim, senhor guarda, pode mandar-me prender, estes veículos são historicamente comunistas. Sim, camarada polícia, não tenho fotos dos próprios dos veículos. A pressa da vida não dava, naquele tempo, para selfies, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 7 Comentários

Inconvenientes do Criacionismo

  Estão grandes os rapazes. O tempo voa, não é? Estamos há dois mil e tal anos na Terra.

Publicado em Escrita automática | 3 Comentários

O livro dos mortos

  Acho que não andava ainda de namoro com a SIC, quando escrevi no “Expresso”, em Dezembro de 1991, esta recensão de um livro que tinha tudo para ser uma prenda de Natal para cinéfilos. Já lá vão mais de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

O sexo de Schiele

Tinha prometido. Aqui fica um dos 3 textos que publiquei na EPICUR da Primavera. A revista está nas bancas e está linda. Bem paginada, fotos bem puxadas, spreads de nos abrir os olhos e textos que dão a volta a uma … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 11 Comentários

A parábola do chulo

                  “Amém vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas irão à vossa frente para o reino de Deus.” Mateus 21:31 Quando chego e estaciono o carro ele já lá … Continuar a ler

Publicado em Museu das Curtas, Post livre | 13 Comentários

A roçar-se pelo delírio

Aí estão eles, embrulhados na mesma cama: Kennedy, o pai de todos os Kennedys, e Gloria Swanson, a maior diva dos anos 20. Kennedy despachou o marido da Swanson para um dia de pesca no alto mar e mandou Rosa, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

O terrorismo explicado aos adultos

O colégio onde os meus sobrinhos estudam diz que é internacional e o ensino é em língua inglesa – com português e mandarim uma ou duas vezes por semana, não sei exactamente. Porém, de vez em quando, lá em casa … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Pintas

    A pinta de um tipo não se tira pelos livros que lê. Tira-se, vejam lá o paradoxo, pela pinta com que os lê. Agora vou ali acabar o meu Robert Harris.

Publicado em Escrita automática | 7 Comentários

O riso de Agustina

Fui editor de três livros e um texto inédito da senhora Dona Agustina. Mas o que é ser editor de Agustina Bessa Luís? É, digo eu, estar sentado, olhos colados aos vivos olhos dela, os ouvidos presos à sua voz, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 13 Comentários

EPICUR, é Primavera

A EPICUR da Primavera já chegou às bancas. Tenho obscuríssimos interesses que me fazem vir aqui promovê-la. Dirigem-na dois amigos meus, o Mário Rui de Castro e o Pedro Marta Santos, esse Triste absentista que assina o editorial, no qual … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

El-rei Junot, de Raul Brandão

Dizem que é um livro de história. E eu digo que é um dos grandes romances do século XX português. Um romance esquecido, ignorado, confundido com um “relato” por quem não sinta o rio de lama da dramaturgia que lhe … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

Chuck duck walk Berry

O que seria a vida sem heróis? Comovem-nos, convocam-nos, inspiram-nos, amparam-nos, riem-nos, choram-nos, viram-nos de um avesso que não sonhávamos ter. Eu tive a sorte de ter muitos. O maior de todos era o meu avô e não me canso … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 7 Comentários

Grandes discursos: Ich Bin ein Berliner

Este é um livro de heróis. Um livro de batalhas, de vitórias e de derrotas. Nalguns casos de derrotas que vão até à morte. Mas às batalhas, à euforia da conquista, ao luto que caminha ao lado dos féretros, à … Continuar a ler

Publicado em Está Escrito | 1 Comentário