Todo o cirurgião é um actor

Este post contem imagens que podem chocar pessoas mais sensíveis

Eu não sei nada. O António Setúbal sabe tudo. Eu nem sequer consigo dizer de um só vez o nome do que ele sabe: endometriose. Digo que é uma doença do útero e não direi mais nada, porque o meu amigo António Setúbal é o único que pode dizer tudo. É um especialista de reputação mundial. Dirige ou faz parte do board da revista da especialidade que se publica na Califórnia. Já foi o orador principal do Congresso Anual. Passa o tempo em Estugarda, Las Vegas, Teerão ou Moscovo. Mas não é por isso que eu sou amigo dele.

O que nos juntou foram os filmes. No Festival de Tróia, na Cinemateca, fascinados por realizadores, actrizes e actores, tínhamos um grupo unido, que a morte de alguns, do Pedro Bandeira Freire, do Manuel Cintra Ferreira, do Alfacinha da Silva, do Dinis Machado, desfez. É disso que falamos sempre que nos encontramos e ele vem bater uns papos a Portugal. E é dessa paixão pelos filmes que ele fala nesta apresentação TED style. Dessa paixão que quase o tirou da medicina, quando andou fazer clips para bandas, como era o caso do Sétima Legião. Mal sabia que, hoje, com a laparoscopia, o trabalho dele volta a estar ligado a uma câmara. E, cinéfilo como é, foi descobrir os mais bizarros filmes, os filmes que um médico francês, Eugéne Doyen, fez.

O Senhor Doyen filmou ainda Griffith não filmava

São filmes incunábulos, se posso usar o termo bibliófilo, para o cinema. O francês Doyen filmou-se a si mesmo em plena cirurgia. Fez, por exemplo, cranioctomias, uma coisa que, de se ver, quase nos faz desmaiar. Isto sim, pensei, a ouvir o António falar, isto é crítica de cinema, crítica comparada da utilização de luz e câmaras em diferentes áreas. Com o mesmo grau de dramatismo, com o mesmo grau de acção e perigo. Só vos digo: todo o cineasta é um cirurgião. Todo o cirurgião é um actor.

Para vermos o cirurgião e o actor, o filme está aqui.

E o Doutor Doyen está aqui:

 

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

2 respostas a Todo o cirurgião é um actor

  1. EV diz:

    Ena, que orgulho! Dá logo ainda mais vontade de ser português…

Os comentários estão fechados.