Como se ganham beijos

Não estava previsto, mas os dias de um editor estão cheios de surpresas. Quando dei por mim estava a redigir o texto de adaptação do Robinson Crusoé. Exactamente este livro que aqui está:

E como regras são regras, tive de fazer um perfil. Veio à baila uma história que nunca me cansarei de contar.

 

A história é tão verdadeira que, de cada vez que a conto, nunca a consigo contar da mesma maneira.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Como se ganham beijos

  1. Maria Antonieta diz:

    E ainda se diz, por aqui, que escrever é triste?
    Esta escrita é uma ternura.
    Havia em nossa casa, uma telefonia quase igual à que havia em casa da senhora sua Mãe…

  2. flor diz:

    🙂

    ternura tamanha.

  3. Bea diz:

    Essa pose de braço é mesmo de época. A história e a foto são mesmo uma ternura.

  4. Creatur diz:

    ora bem , é assim que se começa! como a maioria das crianças foge a boca para a verdade.

  5. JD diz:

    Agrada-me que continue “menino” caro Manuel.Por muitos e bons anos.

  6. EV diz:

    O diabo do livro é bonito que farta!

Os comentários estão fechados.