Coisas Singulares

COISAS SINGULARES

E quer-se independência,
fazem-se planos em bando,
adolescentes mais que pássaros e
antes que o coração seja dono
dos seus ais,
já somos casais,
e um dia somos menos
do que sonhámos, ou mais
do que merecemos.  E somos pais. Claro,
só sei disto por assistir e ouvir falar.
Muito graciosamente, a vida
deu-me outro fruto a provar:
talvez possa resumir-se
no silêncio iluminado de azul
de Hammershöi. Como tu,
também me sonhei, e era outra
a pintura, era hip hip hurrah, de Kroyer –
um tom de luz mais acompanhado.
Mas tenho sorte, bem vês, entre o menos
que sou e o mais que poderia ser,
não é assim tão grande a diferença,
de Skagen a Skagen a distância
é a que vai de me estender no sofá
com McCarthy enquanto tu,
que nunca encontrei, e
se foram montanhas, mares,
números, não sei, só Cecília sabe,
e Camões e Amália, tu, espero,
para que mor não seja a dor,
brindas do lado
de lá da tua tela, também a mim,
como eu aqui: a ti!
E assim, tu e eu, duas existências
desconhecidas uma da outra,
podemos ser nós. Só
por um bocadinho.

 

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Coisas Singulares

  1. As coisas e pessoas singulares são assim…

  2. ana marchand diz:

    belo , e o melhor , sempre o processo criativo.

  3. Bea diz:

    tchim tchim. À saúde da menina Eugénia.

  4. Napoleon malaparte diz:

    “entre o menos / que sou e mais que poderia ser, / não é assim tão grande a diferença.” Pois não, micróbio.

SEJA TRISTE, COMENTE