O nosso editorial

Recordamos a leitores novos do Escrever é Triste o nosso editorial. O espírito do Escrever é Triste é lúdico e essencialmente baseado na troca de prazeres. Ou seja, e simplificando, CHATICES NÃO. Pedimos expressamente que não haja comentários  ad hominem, só com o propósito de ofender. Bem sabemos que há uma certa frequência da “rede”, da bloga e das redes sociais que está animada desse espírito de mal-dizer e carroceiro. Lamentamos mas, exactamente por querermos marcar a diferença, excluiremos comentários que sejam arbitrariamente ofensivos.

Honra seja aos nossos leitores, já levamos 6 anos de publicação e têm sido raríssimas essas situações. Surgiram agora duas excepções. Pedimos a esses frequentadores do blogue que não queiram ser mesquinhos agentes de discórdia, cujo único prazer é o de destruir aquilo de que não conseguem participar.

E o nosso editorial é:

Editorial

1.   Somos um blog colectivo pessoalíssimo.

2.  Misturam-se, no “Escrever é Triste”, duas correntes de fundo: o prazer desinteressado da escrita e o risco de exibir formas íntimas de ver o mundo.

3.  Escrever-se-á de tudo, desde que sejam gostos: de livros ou de filmes, de pintura ou de música, de ideias ou de comportamentos, do quotidiano ou de utopias.

4.  Para se escrever de tudo, tudo serve: uma lembrança de infância, um acontecimento em curso, um farrapo de conversa que se ouviu, uma efeméride, a actualidade, a pasmosa variedade do que se publica na “rede”. A única exigência é que esse tudo seja convertido numa voz, a voz de quem escreve.

5.  Haverá três modelos de posts, graficamente distintos:

a)         os posts livres, em que os autores abordam temas, ideias, episódios, gostos e sobre eles discorrem, em geral escrevendo, nalguns casos desenhando ou fotografando;
b)         os posts de ficção, de que uma variante será um desafio mensal lançado por um dos autores;
c)         os posts curtos, numa linha de escrita automática, rápidos, confessionais ou não, declarativos e, porventura, intempestivos. Em vez de gastarmos no psicanalista…

6.  Os autores do blog têm convicções políticas muito distintas e veementes. Não prescindem delas, mas prescindem de utilizar o blog para o exercício de política partidária.

7.  Os comentários dos leitores são bem vindos. São abertos, sem nenhuma censura prévia. Excluir-se-ão, a posteriori, os que sejam arbitrariamente ofensivos ou completamente deslocados dos temas tratados.

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a O nosso editorial

  1. Bea diz:

    Concordo. Eu, a abaixo assinada, declaro por minha honra não desrespeitar os escribas, com palavra, desenho, ou o que seja, nos meus comentários. Transgredindo, é porque me passei dos carretos e portanto, desrisquem-me; assim como assim, desaparafusada deixo de contar.
    Venha o post seguinte:)

  2. Duas gotas de água fazem um mar de lamentações? Escrever pode ser triste mas não tem de ser carrancudo…

    • Escrever é Triste diz:

      Pois não, nem este post é, a não ser um pedido: não tragam o mal onde só se quer que haja o bem. Andamos a 6 anos a mostrar que a bloga pode ser um lugar de afirmação de ideias, gostos, prazeres. Se alguém vem e se depara com este espaço puramente lúdico, porquê destruí-lo?

SEJA TRISTE, COMENTE