One from the kidney

Me and my sister. Em estreia nesta nossa Triste casa de esfuziante alegria. Não é a canção dos This Mortal Coil que nos traz aqui. Poderia ser One From the Heart, de Tom Waits, sim. Mas é sobretudo o Riso, essa criatura estranha de revolver entranhas, que nos faz espreitar por esta janela.

Estivemos no Corações Com Coroa Café da nossa amiga Catarina Furtado, para assistir a uma conversa sobre Violência Contra as Mulheres e escutar Mafalda Veiga, num concerto aconchegante. Mas essa é outra história. Bem diferente desta nossa janela de sorrisos:

Entra em cena Joaquim Furtado, amigo de longa data, uma das minhas referências jornalísticas… e humorísticas.

-Joaquim, venha conhecer a minha mana do Coração!

-Muito prazer, é melhor que ser mana do Fígado.

-Ah ah ah! Mas olhe que é uma mana de Pulmão!

-Estou a ver, uma mana de corpo inteiro.

-Não duvide. Até é mana dum Rim, Joaquim!

-Quem rim por último rim melhor.

Sobre Teresa Conceição

Ainda estou a aprender esta terra de hieróglifos. Tenho na mala livros e remoinhos, mapas e cavalos guerreiros, lupas e lápis de cor: lentos decifradores.
Sou nativa de Vadiar, terra-a-terra. Escrever? Ainda não descobri onde fica. Mas parto com bússola e farnel (desconfio que levo excesso de bagagem).

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a One from the kidney

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    E também é a mana dos seus lábios, dos seus olhos, das mesma altas maçãs do rosto. Está aceite na família dos Tristes.

    • teresaconceicao diz:

      Obrigada pelo acolhimento, Manel. Todas os elos de doçura são bem-vindos. Ainda por cima destes, sem adição de açúcar.

  2. Ana Marchand diz:

    RIMRIM , rintintin!

  3. Nano diz:

    Quem tem manas tem tudo….

  4. Gonçalo diz:

    Dificilmente se arranja idioma com mais capacidade para o trocadilho. Rim-me à brava. E as manas de “Tristes” não parecem ter nada!
    G.

  5. EV diz:

    Duas giraças!

    Ps: já me rim…

SEJA TRISTE, COMENTE