O gabarito

Hoje mesmo, uma senhora simpática teve a amabilidade de dizer que eu tinha gabarito. Expliquei-lhe que já não tinha. O gabarito é uma coisa difícil de sustentar. Uma pessoa para ter gabarito tem de ter paciência, escová-lo, passeá-lo na rua, acarinhá-lo, ter uma pose de acordo com quem tem um gabarito (já repararam que os donos de pastor alemão têm uma pose muito mais marcial do que os donos de golden retrievers)? E um gabarito precisa de mimo, de ser ajeitado, bom ar, costas direitas. Tem de passar pelas ruas e sentir que nas suas costas dizem: “olha, ali vai alguém de gabarito”. Sendo que muita gente, mesmo vendo um gabarito evidente não o reconhece.

Não; não tenho gabarito. Se alguma vez o tive fui tão descuidado que o não mantive. E já não espero a oportunidade de ter um. Tive dois cães que morreram e para tragédia caseira chegou. Deixar um gabarito chegar ao ponto de se tornar moribundo é malvadez.  O gabarito merece respeito e consideração.

O gabarito anda pelas ruas da amargura e ninguém o defende. Peço a alguns dos meus tristes amigos que o adotem. Muitos podem fazê-lo, têm posses, têm pose e têm pós. É uma questão de querer. Mais nada!

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

2 respostas a O gabarito

  1. manuel s. fonseca diz:

    Como toda a gente sabe, o gabarito é um escantilhão para medir o exterior das peças de artilharia. Mal seria, se tu não fosses, com o teu poder de fogo, uma peça de artilharia. Logo, se não tens, vamos mesmo arrranjar-te um gabarito.

  2. Urgel henriques diz:

    Para se ter gabarito neste país bastará evidenciar, (pereferencialmente nas zonas onde as pessoas de “gabarito” circulam ou estacionam) os seus mercedes , BMW, ou quejandos.
    É esta a bitola de avaliação desta terra onde nasci….

SEJA TRISTE, COMENTE