Aquivos por Autor: Eugénia de Vasconcellos

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Nem sei se te ame se te odeie

Estava aqui a olhar para Steiner. Este Steiner. Tudo quanto gosto num homem, ele tem. E quando fala, ou melhor, quando leio o que escreve, percebo claramente o significado de “mas dizei uma palavra e serei salva”. Nem sei se … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Abarim, Abarim

Com Manuel António Pina ABARIM, ABARIM Abarim, Abarim, do alto do teu silêncio vi a terra prometida: passava de manhã para o trabalho pois acreditava no suor do rosto. E regressava ao fim da tarde, a casa, pois tinha asas … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

O Eça, o Kroyer, o Hammershöi e eu na linha do Douro

Lá estava eu, com um poema a fazer-me versos na cabeça, a olhar pela janela do comboio, não posso escrever senão enjoo, vou ter de refazer isto tudo, como? ah cabrão, é dos grandes! a ver Resende, e vá de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 8 Comentários

O sentido da vida

o sentido da vida Talvez não sejamos, afinal, muito diferentes do resto da criação. Antes de ontem, no caminho entalado à direita por um carreiro de agapantos brancos e roxos, inclinados como só eles – eta flor cheia de vénias! … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Isto o que é?

isto o que é? Vou mudar de casa – vendi a minha, que por acaso até era bastante decente, o ano passado. No dia um de Agosto. Via-se o mar e a serra da varanda do quarto e da varanda … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 12 Comentários

A cegonha, o rinoceronte, a bicicleta, O Cão e eu

A CEGONHA, O RINOCERONTE, A BICICLETA, O CÃO E EU Tenho uma bicicleta de que gosto muito. Uma Beach Cruiser que veio substituir a Peugeot preta que adorava e me roubaram. No tempo inicial da Peugeot, ainda vivia no Paraíso … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 7 Comentários

Casamento

Bem vistas as coisas, o casamento é como a democracia: mete água por todos os lados mas ainda não se inventou nada melhor.

Publicado em Escrita automática | 2 Comentários

Felicidades hipotéticas

Já aqui contei: desconheço Pedro Mexia. Mas, ó diabo, de há uns tempos para cá parece-me um velho (des)conhecido, um daqueles com quem falo sozinha como as pessoas que respondem boa-noite ao apresentador do telejornal, assim tipo, “durante os anos … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Mark my words

mark my words Talvez não fossem ainda onze da manhã. E já não podia mais quando fechei as janelas, baixei a persiana, e seja o que Deus quiser. Não durmo de dia. Era pequenina e não dormia de dia. Tenho … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Kill Bill state of mind

Kill Bill state of mind Sempre li de tudo. Bem, agora menos. Mas quando era pequena lia o que viesse, fosse lá o que fosse a que jogasse a mão. Com a música a mesmíssima coisa. Tive sorte. Tanto com … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Uma palavra chega

No outro dia, e talvez por que eu desejasse tanto ter sido destemida e mais isto e aquilo num saco de impossíveis virtudes e concretizações para quem é apenas como é e nada mais, disseram-me uma das coisas mais bonitas … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 9 Comentários

Mãe, quero ser americana!

Agora que penso nisto, verifico: o que pode lixar um escritor não são os seus vícios, mas a overdose das suas virtudes. Há-de ser também por esta razão que os diabos americanos, e os americanizados como o meu rico Conrad, … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 1 Comentário

O outro salmo 63

O OUTRO SALMO 63 Escrevo porque existo aqui, à sombra das tuas asas que fazem sombra ao sol e do azul cinza. Escrevo porque posso quando a luz não bate de frente o riso dos seus dentes nos meus olhos … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

Thank God we can’t tell the future. We’d never get out of bed.

Um dos grandes problemas da escrita, quero dizer, para quem escreve, é a puta da verdade. A verdade ela própria, sem factos alternativos nem pós coisa alguma, sequer pózinhos dourados. O problema da verdade na escrita, para quem escreve, é … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

Zen

Procurei casa em Lisboa. Para comprar. Arrendar. Licitei na sexta-feira um raio de um apartamento minúsculo, a cair aos bocados, para restaurar – perdi, claro, parece que afinal era grande, espaçoso e tinha acabamentos de primeira. Ia mesmo agora cortar … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários