Aquivos por Autor: Manuel S. Fonseca

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Egon Schiele e Alfred Sisley: paisagens

Tinham ambos a obsessão da paisagem. As de Alfred Sisley tinham sempre o mesmo tema, a natureza, uma natureza quieta, imóvel. A paixão de Sisley é a da imobilidade e a turbulência, se turbulência havia – e há – vem-lhe … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Jacques Tati

Foi dos últimos artigos que escrevi no Expresso antes de ir para a SIC. Fevereiro de 1992. Passaram 25 anos e Jacques Tati, morto e enterrado, não é sequer um ilustre desconhecido. E eu estou a pensar que já me … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Cinta de ligas e meias de vidro

 “Lifeboat” é um filme à deriva no mar da II Guerra. Filmou-o Hitchcock num bote onde meteu nove vidas sem destino. O caos tomou conta do oceano e no salva-vidas, no início, só está uma mulher madura e bela, cabelo, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 3 Comentários

The Cheat

Não é nenhum segredo. Já aqui tinha dito que a Argumento é uma surpreendente revista do Cineclube de Viseu. Deixam-me colaborar e, neste número, por vontade minha e vontade desses bravos cinéfilos voltei a um filme polissémico. E, não por … Continuar a ler

Publicado em Post livre | Deixe o seu comentário

Dançar o Tetra

De vez em quando só é preciso dançar. No pó, no asfalto, na praia, no campo. Dançar de cachecol na mão. A águia no coração.  SLB dance me to the end of the world. Minha camisa é vermelha, minha meia é … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Dalí era virgem

Com excepção da mão que num sonho se lhe enxameou de formigas, Salvador Dalí era virgem. Já o ateu Luis Buñuel, que num sonho desatou a cortar olhos humanos com uma lâmina, nem dos dedos do pé era casto, como … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

O silêncio de Francisco

Foi há pouco mais de uma hora, no pletórico centro dos telejornais. Francisco desceu do papa-móvel e caminhou em festa pela avenida central em direcção à capelinha das delirantes e deliciosas Visões. As televisões, como é da sua obrigação e natureza, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 9 Comentários

Como se ganham beijos

Não estava previsto, mas os dias de um editor estão cheios de surpresas. Quando dei por mim estava a redigir o texto de adaptação do Robinson Crusoé. Exactamente este livro que aqui está: E como regras são regras, tive de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 12 Comentários

Emmanuel Macron

Por uma vez sem exemplo falo de política. Isto é, parece que falo, porque no fundo, esta é mais uma das minhas histórias de fim de adolescência. Dos dilemas que vivi por não saber mais do que se conseguia saber.  … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 8 Comentários

Tomai e comei

Que coisa exprime hoje as nossas esperanças ou o nosso mal-estar? Que filmes, livros ou canções? Os filmes de Pedro Costa, de Malick ou o “Fast and Furious 8”? Há coisas que não me saem da cabeça. A ideia de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 8 Comentários

Imaleavelmente mais velho

    Um dos meus pontos de honra como “quadro executivo” era o de responder sempre a e-mails, cartas (nos tempos em que as havia) e telefonemas, mas algo anda a correr mal no meu pequeno reino dinamarquês. Ou a … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 8 Comentários

Ameaças de morte

Este é um velho livro. Ninguém o leu, nem no Portugal velho, nem no Portugal novo. E é pena: este livro ensina a escrever livros. É um velho livro, mas é tão bom que parece um livro novo. Lê-se e … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Onde é que esta gente vai buscar as coisas que dizem de mim

O João Bénard arrancou com o ciclo completo da obra do Howard Hawks na Cinemateca e na Gulbenkian. Estávamos em Novembro de 1989, vai fazer 28 anos, e eu, no dia 18 lá me ensaiei a escrever esta prosa hagiográfica no … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

A bailarina adormecida

Se pensam que escrevi agora este artigo, desenganem-se. Publiquei-o no Semanário,  a 18 de Novembro de 1989. A RTP 2 ia exibir Party Girl, filme de Nicholas Ray cuja raison d’être era, da cabeça aos pés, passando pelas pernas, uma … Continuar a ler

Publicado em Trasladações e Outras Ossadas | 8 Comentários

É tão bonito de ouvir e apetece tanto cantar

  São tão bonitos os hinos revolucionários franceses. A começar pela Internacional, que foi originalmente cantada em francês, é bom de ver. Como é que alguém, em seu perfeito juízo ,pode ser insensível a tanto sonho, a tanto vontade de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 8 Comentários