Aquivos por Autor: Manuel S. Fonseca

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

O poder e os lírios do campo

Foi um beijo paz na Terra aos homens de boa vontade, mas ia caindo o Carmo e a Trindade. Quem me disse, na longínqua Luanda dos meus 12 anos, que numa noite dos Oscars a mediterrânica Anne Bancroft beijara o … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 1 Comentário

Romance do fundilho das calças

Como é que os escritores escrevem? À mão? Ainda à velha máquina de escrever? No teclado de um portátil? Por ditafone? Eu sei como escrevia Agustina. Dos três livros de que fui editor, recebi rolos de papel com aquela letra … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

O busto de Fonseca

O padre Fonseca (José Maria da Fonseca) nasceu em Évora, em 1690. Tomou os seus votos em 1714, em Roma, onde vivia. Era Franciscano e o papa Bento XIII promoveu-o rapidamente a Procurador Geral da Ordem. Serviu-se da sua posição … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Nanni Moretti

      Fartei-me de escrever no Expresso em Março de 1992. Lembro-me que já estava de férias na Cinemateca – as últimas. Tinha as malas prontas para começar na SIC, a 1 de Abril, trabalhador nº 11, como consta … Continuar a ler

Publicado em Trasladações e Outras Ossadas | Deixe o seu comentário

Os pianistas

      Por razões que não vêm ao caso, mas que um dia destes se hão-de ver, o comunismo caiu-me em cima e ando soterrado em literatura ensaística de Outubro. De 1917. Comecei com Lenine. E não, não é … Continuar a ler

Publicado em Ando Nisto | 2 Comentários

Era um cavalheiro quando não bebia

“Olha para ti, Dreyfuss, só comes e bebes, és gordo e desmazelado. Nessa idade, é criminoso. Nem dez flexões de braços fazes.” Era o que, nos dias de maior cortesia, Robert Shaw, actor shakespeariano, dizia ao jovem americano Richard Dreyfuss, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 3 Comentários

Os discos e a tuberculose

A história vem toda, e muito bem contada, aqui, na New Statestman, e em muito bom inglês. Resumo na branda língua portuguesa, aconselhando leitura do original. Na velha União Soviética, depois da II Guerra, com Estaline e depois de Estaline, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Beijos

      Fui buscar este velho texto que estava enterrado há cinco anos no Escrever é Triste. É para quem ama Clint Eastwood e já viu “Um Mundo Perfeito” e é para quem, amando muito uma mulher, a beija … Continuar a ler

Publicado em Trasladações e Outras Ossadas | 3 Comentários

O enxovalho

Richard Dreyfuss é um choramingas, um cry-baby. Vi-o lavado em lágrimas na televisão irlandesa. Mas permitam-me que primeiro invective os portugueses. Temos a mania de que somos desenrascados, que o improviso para o português é como limpar o cu a … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Sam Shepard

Podia ficar a vida inteira a olhar para ele em The Right Stuff. Deixem-me dizer em abono da verdade: a primeira vez que um homem pôs os pés na lua foi quase no meu dia de anos, em 1969. Armstrong … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 2 Comentários

Jeanne Moreau

Falta à Europa um imaginário europeu. Mas o imaginário europeu, no século do cinema, foi sobretudo um vulcão sem actividade. Por vezes, uma erupção. Marlene Dietrich quando foi anjo azul. Brigitte Bardot quando Vadim, que talvez fosse Deus, a criou. … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Pé no pedal e mordam-na

    Podia vir aqui queixar-me e dizer que o Escrever É Triste está a agonizar, mas se calhar é só do Verão e um dia destes voltam em força os Tristes todos com posts fabulosos. A sério, eu acho … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 5 Comentários

A praia deserta

Não, desta vez não se atrevam a espetar o dedo no peito da minha subjectividade. É estarrecedor de objectivo: tive um fim de adolescência de praia deserta. Privilégios coloniais. Das terras do fim do mundo, António Lobo Antunes escrevia cartas … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Haja Livros

A vida de um editor não é uma vida regalada, um festim de Babette, cumulado de prazeres. Mas é uma vida com sabores. Ali em cima, na imagem, estão os 22 clássicos que eu já publiquei na Guerra e Paz … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

O Verão é Epicur

Está nas bancas. Saiu quando eu estava de férias e ainda não a tinha trazido aqui. É a revista EPICUR, de Verão, com uma capa do pintor José Guimarães. O que faz da EPICUR uma revista ainda mais especial é … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 3 Comentários