Arquivo da Categoria: Escrita automática

Escrita automática

Mãe, quero ser americana!

Agora que penso nisto, verifico: o que pode lixar um escritor não são os seus vícios, mas a overdose das suas virtudes. Há-de ser também por esta razão que os diabos americanos, e os americanizados como o meu rico Conrad, … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 1 Comentário

Imaleavelmente mais velho

    Um dos meus pontos de honra como “quadro executivo” era o de responder sempre a e-mails, cartas (nos tempos em que as havia) e telefonemas, mas algo anda a correr mal no meu pequeno reino dinamarquês. Ou a … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 8 Comentários

Mais Valia: tese e tusa

Com a idade, vê-se muita coisa. Isto é, já se viu muita coisa. Como diriam a Marina Mota ou a Ivone Silva numa rábula de revista: são muitos anos a virar frangos. E deixem que eu lembre, com um sorriso, … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 2 Comentários

Inconvenientes do Criacionismo

  Estão grandes os rapazes. O tempo voa, não é? Estamos há dois mil e tal anos na Terra.

Publicado em Escrita automática | 3 Comentários

Pintas

    A pinta de um tipo não se tira pelos livros que lê. Tira-se, vejam lá o paradoxo, pela pinta com que os lê. Agora vou ali acabar o meu Robert Harris.

Publicado em Escrita automática | 7 Comentários

Santos e Pecadores

    Foi Oscar Wilde que o disse. Mas podia ter sido Santo Agostinho. Eu, que com jeitinho ali vêem, sou simultaneamente reflexo de pecaminoso passado e desesperança de um santo futuro. Graças a Deus.

Publicado em Escrita automática | 10 Comentários

A Criação

    Para o filho de camponeses que eu sou, confesso que a polissemia do termo me tem desgraçado. Há a Criação, essa obra visível e invisível do Ser Supremo, a que, com a autorização do probation officer que é Richard … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 8 Comentários

Silêncio

O silêncio é um lugar de palavras

Publicado em Escrita automática | 10 Comentários

Sei que vou morrer

  Toda a gente sabe. Até um miúdo de 15 anos. Vamos supor que a mãe ou o pai lhe dizem isso, que vão morrer um dia destes. O miúdo ou a miúda, com um inflexão paternalista, logo dizem que sim, … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 14 Comentários

Ler

Agora que penso nisto, vejo que a independência, de pensar, de dizer, de fazer, enfim, de ser, vem muito mais de voltarmos as costas aos ganhos possíveis do que da liberdade das perdas que tivemos – acho que posso jurar … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 2 Comentários

Donald Trump

A razão pela qual não gosto de Donald Trump – em cuja propaganda eu vi, como o Pedro Norton aqui anunciou, a concretização, em parte, do que o romance de Philip Roth descrevera no Charles Lindbergh de The Plot Against … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 5 Comentários

A conta que Deus fez

  Ateu empedernido, levemente mata-frades, lá me atirei pela segunda vez à Bíblia. Escusam de tocar trombetas no céu. Não me estou a converter. Continuo é convencido que nunca hei de perceber nada de arte europeia sem conhecer bem os … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 4 Comentários

Aforismo Surrealista XIII

    Robert M. não tinha profissão conhecida. Não usava uniforme, não calçava botas envernizadas mas diz-se que também não aparava o bigode. Não era alto nem espadaúdo. Não era loiro e ninguém, na aldeia inteira, se queixava do seu mau hálito. Também … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 4 Comentários

Aforismo Surrealista XII

    Agostinho F. costumava passar na igreja todos os dias. À tardinha. Antes da missa das oito. Todos os dias a mesma pergunta. Há santos sem passado? A coisa atormentava-o. A dúvida, dilacerante, enchia-o de um roxo cardinalício. Há santos sem … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 3 Comentários

Aforismo Surrealista XI

    Alphonse D. era um guarda fato. Imponente, todo mogno, quatro pés dourados em forma de garras. Estilo Império. Há anos que guardava os uniformes, impecáveis, azuis, dourados, indolentes, snobérrimos, do Almirante. Dormia contra uma parede forrada de papel … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 9 Comentários